segunda-feira, 14 de julho de 2014

12º FESTIVAL ESTUDANTIL DE TEATRO E DANÇA




Resistir e fazer acontecer...

Mesmo enfrentando a não existência de nenhum edital para bancar custos este ano, o Festival Estudantil de Teatro e Dança não para em 2014 e promove sua décima segunda edição com raça e graças ao patrocínio da Empetur Governo do Estado de Pernambuco, tudo sob o comando do produtor Pedro Portugal. Pela primeira vez de caráter não mais competitivo, seguindo um desejo acalentando por muitos há anos, a programação completa acontecerá apenas no Teatro Apolo, mas com parte da venda antecipada dos ingressos servindo ainda como incentivo financeiro de produção para cada equipe.

Como sempre, o evento reúne produções de teatro e dança de escolas públicas e particulares, universidades e cursos de artes cênicas de diversas cidades pernambucanas. Nesta edição, Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Igarassu e Vitória de Santo Antão estão contempladas, com o objetivo de revelar seus talentos. O 12º Festival Estudantil de Teatro e Dança conta com apoio da Prefeitura do Recife e o Centro de Formação das Artes Cênicas Apolo-Hermilo, com os quais planeja futuros projetos de formação em parceira para os próximos anos.

Nossos homenageados são a atriz Maria de Jesus Baccarelli, que brilhou em dezenas de importantes montagens teatrais, como “É...”, da Aquarius Produções Artísticas; ou no repertório do Teatro Popular do Nordeste (TPN) e Teatro Universitário de Pernambuco (TUP); e o professor de dança Eduardo Freire (Kuka), há décadas formando bailarinos e atualmente diretor do Ballet Jovem Recife. São dois verdadeiros mestres a quem rendemos agradecimentos sinceros por tamanha dedicação à arte!


Bom festival a todos!

PROGRAMAÇÃO
MOSTRA TEATRAL

Fotos: Pedro Portugal










Dia 13 de agosto (quarta-feira), às 19h
Arlequim, Servidor de Dois Patrões (Espaço Criança Esperança de Jaboatão – texto: Carlo Godoni. direção: Altino Francisco)

Na divertida trama deste anti-herói da Commedia dell’Arte, tudo acontece na casa do velho Pantaleão, quando o antigo noivo da jovem Clarise, dado como morto, volta para desfazer o novo noivado dela com o apaixonado Sílvio.












Fotos: Pedro Portugal
Dia 14 de agosto (quinta-feira), às 19h
O Estrangulador (Grupo de Teatro e Pesquisa Repertório e SESC Casa Amarela – texto: Sotero Caetano. direção: Adriana Madasil e Caio Andrade)

Partindo de um hilário drama circense, eis a história de um crime ocorrido em uma pequena hospedaria na Itália, envolvendo um casal da América do Sul. A trama desenvolve-se até o tribunal e um desfecho surpreendente.












Foto: Glaucio Campos
Dia 15 de agosto (sexta-feira), às 19h
Então, Bate! (Casa Mecane – texto: criação coletiva. direção: Dado Sodi)
Lúcia é uma menina de 14 anos que está grávida. A questão é: quem é o pai?, já que a garota vive em uma casa onde todos os homens tem uma tara por ela, até seu próprio pai. A trama navega pelo universo da psiquê rodriguiana ao ritmo de tangos clássicos e revisitados.













Fotos: Pedro Portugal

Dia 16 de agosto (sábado), às 16h30
As Maravilhas de Alice (Cia. de Teatro e Dança Souza Leão e Colégio Souza Leão – texto e direção: Nino Fernandes)

Nesta adaptação da clássica fábula de “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll, o objetivo é o resgate da cultura do lúdico, focado nos conteúdos éticos e morais dos contos infantis ligados ao nosso universo regional.
















Foto: Pedro Portugal

Dia 17 de agosto (domingo), às 16h30
Flicts, a História de Uma Cor (Grupo Arte em Movimento e Instituto Federal de Pernambuco – texto: Ziraldo e Aderbal Júnior. direção: Black Escobar)

Flicts é uma cor que veio do interior de Pernambuco, da cidade de Taquaritinga, e tenta fazer parte do arco-íris, mas não é aceita pelas outras cores por ser diferente. Mesmo assim, a corzinha luta por seu espaço e sonha com outros lugares que possam aceitá-la como ela é.



























Fotos: Pedro Portugal

Dia 20 de agosto (quarta-feira), às 19h
Verdade Tropical – Um Exercício de Liberdade (Curso Profissional de Teatro da Escola Municipal de Arte João Pernambuco – texto e direção: Fred Nascimento)

Com dramaturgia apoiada no pós-dramático, esta montagem faz uma leitura poética do livro “Verdade Tropical”, de Caetano Veloso – pondo-o em cena – e trechos de “Os Filhos de Kennedy”, de Robert Patrick, num retrospecto dos anos 1960, no Brasil e nos Estados Unidos.


































Fotos: Pedro Portugal


Dia 21 de agosto (quinta-feira), às 19h
Engenho Banguê (Cia. Cênica Yakecan e Escola Municipal de Arte João Pernambuco – texto e direção: Otacílio Júnior)

Nesta releitura de “Morte e Vida Severina”, um espetáculo ritualístico teatral que traça comparações da sociedade dos tempos dos coronéis e a locomação de retirantes saindo do sertão até o litoral pernambucano, até os dias de hoje.



































Fotos: Pedro Portugal

Dia 22 de agosto (sexta-feira), às 19h
Obsessão Em Quatro Atos (V Turma de Iniciação Teatral Cênicas Cia. de Repertório – texto: criação coletiva. direção: Antônio Rodrigues)

Nesta dramaturgia inspirada no universo rodriguiano, os desejos mais ocultos das personagens são revelados, com obsessões à mostra num cenário composto apenas por uma cama, lugar de intimidade. Amor, inveja, beleza e morte ganham aqui significados diversos.

























Fotos Pedro Portugal

Dia 23 de agosto (sábado), às 16:30h
Na Trilha do Tempo (Cia. Recriar e Escola Professora Amélia Coelho – texto: Cleiton Santiago. direção: Thamiris Mendes)
Crianças resolvem brincar de montar uma peça de teatro onde tudo pode acontecer, inclusive com personagens os mais diferentes. Neste mundo de fantasia, fadas, vilões, mocinhos e princesas mostram que a magia do teatro faz tudo virar realidade, ou quase.





























Fotos: Pedro Portugal
Dia 23 de agosto (sábado), excepcionalmente às 20h
Incelença Para Terra Que o Sol Matou (Cia. Por Trás da Cena e Escola de Referência Senador João Cleofas de Oliveira – texto: César Leão. direção: Thamiris Mendes)
A trajetória de uma família no sertão a espera da chuva que nunca chega. Com diálogo duro e cruel, as personagens se conflituam em meio a desejos velados. Durante os silêncios, o sonho de uma vida melhor persiste, com as graças das chuvas sonhadas e sem incelenças de morte.)











Dia 24 de agosto (domingo), às 16h30
A Bruxinha Que Era Boa (Projovem Adolescente de Igarassu – texto: Maria Clara Machado. direção: Erineide Moreira)
Uma bruxinha diferente, fracasso na Escola de Maldades da Floresta, quer se sair melhor nos testes, até que encontra um jovem lenhador que não se assusta com sua aparência e decide ajudá-la a ganhar uma sonhada vassoura a jato da competição de bruxarias terríveis.












Dia 26 de agosto (terça-feira), às 19h
Rasgando Escuridão (Grupo São Gens de Teatro e Associação Cultural Boi Menino – texto e direção: Anderson Leite)

Espetáculo poético que aborda o amor de mãe para filha, que sonhava em ser bailarina mas, vítima de uma bala perdida, tornou-se tetraplégica com retardo mental. Partículas de pensamento da garota dão a ela a possibilidade de brincar, correr, dançar e alimenta-se espiritualmente do carinho materno.


























Fotos: Pedro Portugal

Dia 27 de agosto (quarta-feira), às 19h
Imago – A Máquina de Roubar Sentimentos (Grupo de Teatro Macambira e Academia Santa Gertrudes – roteiro e direção: Gabi Cabral)

Se a alma humana é um pouco roubada a cada fotografia, este espetáculo de imagens convida a refletir sobre atitudes diante das selfies pela história de um cientista prestes a inventar máquina que descobre os verdadeiros significados das relações humanas no ciberespaço. 











Fotos: Pedro Portugal

Dia 28 de agosto (quinta-feira), às 19h
Campeões do Mundo (Grupo de Teatro Dose Humana e Colégio Marista São Luís – texto: Dias Gomes. direção: Fátima Aguiar)
Ambientada na década de 1970, esta obra de Dias Gomes, baseada em fatos reais, rememora o sequestro de um embaixador americano em plena Copa do Mundo, quando o Brasil ganhou o tricampeonato mundial e políticos aproveitaram-se do fato para manifestações populistas.




MOSTRA COREOGRÁFICA



































Dia 29 de agosto (sexta-feira), às 19h

O Pequeno Príncipe (Academia Santa Gertrudes – direção: Tita Pereira e Evelyne Almeida)
Maracatu Transformação (Equipe de Dança e Colégio Equipe – direção: Taynanda Carvalho e Viviane Lira)
Torcer, Sorrir, Dançar! (Culturarte Escola de Formação em Dança – direção: Michelle Mourão)
Disritmia (Grupo NAP de Dança e Colégio NAP – direção: Viviane Lira)
(intervalo)
No Baile de Máscaras (Culturarte Escola de Formação em Dança – direção: Taiane Moraes e Natália Capistrano)

Chorus Lá in NE (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – direção: Black Escobar)
Por Acaso (Pantomima Cia. de Dança – direção: Taynanda Carvalho e Viviane Lira)
Retalhos de Um Corpo (Contra Passos Stúdio de Dança e EREM João Pessoa Guerra – direção: Joel Carlos)

Dia 30 de agosto (sábado), às 19h

Variações Clássicas (Branca de Neve, Princesa Florine, Paquita e Arábia) (Culturarte Escola de Formação em Dança – direção: Viviane Moraes)

Amore (Grupo Intercruzados – direção: Carla Santana)

Foto: Nino Fernandes
Cartas Reais (Cia. de Dança Souza Leão – direção: Nino Fernandes e Cláudia Fernandes)

Foto: Rhaiza Oliveira
Cococorpocorpococo (Curso de Licenciatura em Dança da UFPE – direção: Roberto Silveira, Djalma Rabêlo, Stefany Ribeiro e Taciana Ramos)
(intervalo)
Valsa das Flores (inspirada no Ballet Quebra Nozes) (Carolemos Dançarte – direção: Carol Lemos)
A Casa é Sua (Grupo Andança e Colégio Marista São Luís – direção: Julcélio Nóbrega)
Livre Tango (Culturarte Cia. de Dança e Escola de Formação em Dança – direção: Michelle Mourão)
Santo Antônio, Casamenteiro (Cia. de Dança e Teatro Luardat – direção: Claudineide Rodrigues)


Maiores informações com o produtor Pedro Portugal, (81) 9146 2402 / 9223 3850, ou com o assessor de comunicação do evento, Leidson Ferraz, (81) 3222 0025 / 9292 1316.