segunda-feira, 27 de agosto de 2012

OS VENCEDORES DO 10º FESTIVAL ESTUDANTIL DE TEATRO E DANÇA


Na Categoria Teatro para Crianças, “Pássaros dos Sonhos”, do Coletivo de Teatro Domínio Público e Sesc de Santo Amaro, com texto coletivo, sob supervisão de Analice Croccia e direção dela em parceria com Rodrigo Cunha

“Reis Andarilhos”, produção do Grupo Teatral Ariano Suassuna e Escola Santos Cosme e Damião, de Igarassu, com texto de Luiz Felipe Botelho e direção de Albanita Almeida e André Ramos

10º Festival Estudantil de Teatro e Dança premiou melhores neste domingo, no Teatro de Santa Isabel
“Reis Andarilhos”, produção do Grupo Teatral Ariano Suassuna e Escola Santos Cosme e Damião, de Igarassu, com texto de Luiz Felipe Botelho e direção de Albanita Almeida e André Ramos, foi o grande vencedor na categoria adulta do 10º Festival Estudantil de Teatro e Dança, cuja premiação aconteceu neste domingo, no Teatro de Santa Isabel, após sessões disputadas desde o dia 8 deste mês. A divertida peça ficou com os títulos de melhor espetáculo adulto, ator (Manoel Teixeira), atriz coadjuvante (Kattiane Torres), figurino (Kattiane Torres) e Maquiagem (André Ramos). Antônio Rodrigues, do Curso de Iniciação Teatral Cênicas Cia. de Repertório, levou o prêmio de melhor direção adulta por “Nem às Paredes Confesso”, que recebeu ainda o título de melhor ator coadjuvante para Raul Elvis. A dupla César Leão e Fabiano Falcão, da peça “Nocaute”, da Cia. Experimental de Teatro, de Vitória de Santo Antão, ganhou melhor cenário;   Thierry Fernandes , de “Lamentos Para um Amor Inacabável”, da Cia. Teatral Sobre o Palco, do Cabo de Santo Agostinho, abocanhou melhor iluminação; Rafaela Silva, de “Um Molière Imaginário”, da Escola de Referência em Ensino Médio Austro Costa, de Limoeiro, conquistou o título de melhor atriz; e Mayra Waquin ganhou o prêmio destaque pela preparação de elenco na peça “Ici ou Quando as Borboletas Cessarem de Bater suas Negras Asas Dentro de Nossas Cabeças”, do Engenho de Criação Formação e Pesquisa Teatral. Não houve indicação para texto inédito adulto.

Na Categoria Teatro para Crianças, “Pássaros dos Sonhos”, do Coletivo de Teatro Domínio Público e Sesc de Santo Amaro, com texto coletivo, sob supervisão de Analice Croccia e direção dela em parceria com Rodrigo Cunha, ficou com os seguintes troféus: melhor direção e cenário (ambos para Analice Croccia e Rodrigo Cunha); maquiagem (Altino Francisco), prêmio destaque à direção musical e trilha sonora de Alex Sobreira e melhor espetáculo para crianças. Os outros vencedores na categoria foram: João Fernando, melhor ator por “Um Chapéu Cheio de Chá”, da Academia Santa Gertrudes, de Olinda; Amara Juliana, melhor atriz por “Cinderela Atrapalhada”, do Grupo Diocesano de Artes, de Garanhuns; Ana Margarida, melhor atriz coadjuvante por “Cor de Chuva”, do Lubienska Centro Educacional; e Guilherme Falcão, melhor ator coadjuvante por “Sangue de Dragão”, espetáculo que levou ainda melhor iluminação (Fátima Aguiar) e figurino (Zel Garrett). A comissão de Teatro foi composta por Rodrigo Torres, Beto Nery, Eduardo Machado, André Freitas e Wellington júnior.

Em Dança, foram duas categorias distintas, “Solos, duos ou trios” e “Grupos”. A coreografia vencedora na primeira categoria foi “Yottabyte (work in progress)”, resultado do Curso de Licenciatura em Dança da Universidade Federal de Pernambuco, sob direção de Jorge Kildery, que levou ainda o título de melhor coreógrafo e bailarino (Henrique Braz). A melhor bailarina foi Stefany Ribeiro, do solo “Intro”, também aluna do Curso de Licenciatura em Dança da UFPE. Já o melhor figurino, ainda em “Solos, duos ou trios”, foi para Jane Dickie, por “Satanella Pas de Deux”, do Studio de Danças. Segundo os jurados, não houve destaque algum na categoria “Solos, duos ou trios“. Já na categoria “Grupos”, a melhor coreografia ficou com “Debá”, do Aria Espaço de Dança e Arte, com direção de Ana Emília Freire, que abocanhou ainda o prêmio de melhor coreógrafa, melhor bailarino (Danilo Rojas) e melhor bailarina (Alyne Firmo), ambos pelo mesmo trabalho. O melhor figurino ficou com Alexsandra Carvalho, pela criação em “Transfiguração”, coreografia da Aquarius Tribal Fusion Cia. de Dança e Núcleo de Cultura da Fafire. O destaque em dança na categoria “Grupos” foi o bailarino Daniel Soares, deficiente físico, pelo seu exemplo de superação e dedicação à arte da dança. Ele é integrante da Cia. de Dança e Teatro Luardat. A comissão julgadora de Dança foi formada por Kiran Queiroz, Otacílio Júnior e Vanessa Alcântara.