quarta-feira, 16 de agosto de 2017


ALEXANDRE MACEDO, HOMENAGEADO
Eis a breve entrevista que o coreógrafo, bailarino e diretor artístico Alexandre Macedo, um dos homenageados deste 15º Festival Estudantil de Teatro e Dança (FETED), que começa na próxima quarta-feira (dia 23 de agosto), no Teatro Apolo, deu para nós. Vale conferir o que pensa este mestre da dança:
COMO E QUANDO VOCÊ COMEÇOU SUA CARREIRA ARTÍSTICA PROFISSIONAL?
Minha carreira começa em 1980, quando eu cursava Educação Física na UFPE e fui convidado para participar do espetáculo “Tempos Perdidos, Nossos Tempos,” com coreografia de Mônica Japiassú e direção de Rubem Rocha Filho. A estreia e a temporada aconteceram no Teatro de Santa Isabel.
CITE CINCO ESPETÁCULOS OU COREOGRAFIAS QUE MAIS GOSTA NA SUA TRAJETÓRIA E COM QUEM REALIZOU.
“Magia, Dança e Tradição” – Balé Brincantes de Pernambuco; “As Três Mulheres de Xangô” – Cia. de Dança Improviso/João Pessoa (PB); “Uakti” – Balé Brincantes de Pernambuco; “Procissão dos Farrapos” – Balé Brincantes de Pernambuco, também produzido pela Cia. Corpus Populis do Colégio Marista do Recife e Cia. de Dança da Escola de Frevo Maestro Fernando Borges; e “Recifervendo” – Cia. de Dança da Escola de Frevo Maestro Fernando Borges.
VOCÊ PARTICIPOU QUANTAS VEZES DO FETED?
Fui jurado em Dança, ministrei oficina, e participei duas vezes como diretor artístico e coreógrafo, sendo premiado nas duas participações. Foram com “Ebulição” (2004), da Cia. de Dança da Escola de Frevo, ganhando o Prêmio Destaque, e “Procissão dos Farrapos” (2005), também pela Cia. de Dança da Escola de Frevo, com os troféus de Melhor Argumento, Prêmio Especial e Melhor Bailarina (Inaê Silva).
O QUE SIGNIFICA SER HOMENAGEADO NUM EVENTO QUE APOSTA EM TALENTOS ÀS ARTES?
Me senti extremamente honrado e feliz em ser homenageado neste festival que incentiva, descobre e aposta , não só no talento, mas também na arte educação de centenas de jovens e adultos.
QUAL O SIGNIFICADO DO FESTIVAL ESTUDANTIL DE TEATRO E DANÇA PARA PERNAMBUCO NESTE MOMENTO TÃO TURBULENTO DO NOSSO BRASIL?
A criação de um festival como o FETED é de extrema importância para o desenvolvimento das artes cênicas em nosso estado e no país. Consciente do papel transformador que as artes cênicas desempenham na formação de um povo, acredito que apoiar um festival como este significa um ato de resistência frente ao quadro assustador que vivenciamos no país, onde a cultura é negada de forma explícita, com o desmonte de equipamentos e instituições culturais. O FETED leva à comunidade estudantil iniciação, formação e informação, que são instrumentos transformadores na vida do cidadão e que de maneira arbitrária vem sendo negadas ao povo. Que governo fascista e usurpador quer um povo formado e informado?
Viva você, Alexandre Macedo, merecidamente homenageado neste 15º Festival Estudantil de Teatro e Dança!



quarta-feira, 19 de julho de 2017

 

A ARTE QUE NOS IMPULSIONA À 15ª EDIÇÃO

Os tempos não estão nada fáceis. O Brasil vem trilhando um caminho que deixa a todos nós apavorados. A corrupção toma conta de tudo e questões éticas têm sido pauta constante da reflexão de muitos. Estamos quase a pedir socorro, mas a luta continua. E luta é uma palavra que define bem a trajetória do Festival Estudantil de Teatro e Dança, já que poucas vezes estivemos confortáveis quanto a apoios e incentivos financeiros. O ano de 2017 representa, talvez, um dos momentos mais críticos da nossa persistência. No entanto, continuamos e continuaremos sempre, muito por conta de cada estudante e professor/diretor que nos acompanha.

Antes de mais nada, é a eles que direcionamos nosso agradecimento, e também ao público que sempre vai conferir nossa programação. Desde 2003, ou seja, há quinze anos ininterruptamente o Festival Estudantil de Teatro e Dança vem sendo realizado e em apenas seis vezes pudemos contar com incentivo de algum edital público, três vezes aprovados no Funcultura (Fundo de Cultura do Estado de Pernambuco) e três vezes no saudoso Sistema de Incentivo à Cultura da Prefeitura do Recife. Ou seja, a batalha sempre foi enorme! Mas o melhor é podermos ver a felicidade de tantos jovens, adultos e crianças lançando-se com fervor e amor ao teatro e a dança. E muitos talentos já passaram por nós, gente que hoje brilha profissionalmente no mercado cênico pernambucano e até fora do estado.

Para celebrarmos nossa 15ª edição neste ano de 2017, prestamos homenagem a dois guerreiros do teatro e da dança, a arte-educadora, diretora teatral e atriz Lúcia Machado, que protagonizou tantos espetáculos inesquecíveis, e Alexandre Macedo, também professor, coreógrafo e bailarino, responsável por outras tantas criações coreográficas memoráveis. A eles, nosso obrigado por tamanha dedicação a este universo das artes cênicas, que, apesar de todos os entraves para sua continuação, não para nunca. Como nós também.  E que este ano seja símbolo da nossa maior resistência. Avante! A arte nos impulsiona a isso.

Pedro Portugal
Produção

15º FESTIVAL ESTUDANTIL DE TEATRO E DANÇA 
Sempre no Teatro Apolo (Rua do Apolo, 121, 
Bairro do Recife.Tel. 3355 3320). 
Ingressos: R$ 10 (preço único promocional)
PROGRAMAÇÃO
Dia 23 de agosto de 2017 (quarta-feira), às 19h
Haverá Um Maldito Aqui Dentro (Escola Municipal de Arte João Pernambuco – Recife). Texto: Fred Nascimento, a partir do universo de Charles Bukowski. Direção: Fred Nascimento.
Dia 24 de agosto de 2017 (quinta-feira), às 19h
De Quem é a Culpa Se Nunca Chegamos? (Grupo Arte em Movimento e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco – Recife). Texto: criação coletiva do Grupo Arte em Movimento. Direção: Eduardo Bringel.
Dia 25 de agosto de 2017 (sexta-feira), às 19h
Homens e Caranguejos (Grupo Arte em Movimento e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco – Recife). Texto: criação coletiva, sob coordenação de Higor Tenório. Direção: Higor Tenório.

Dia 26 de agosto de 2017 (sábado), às 16h
Edifício Máximus (Academia Santa Gertrudes – Olinda). Texto e direção: Gabi Cabral.

Dia 26 de agosto de 2017 (sábado), às 20h
Isadora, Um Espetáculo de Plagiocombinação (Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Pernambuco – Recife). Criação coletiva. Direção: Marianne Consentino, com assistência de Rafael Dayon e Rosa Amorim.
Foto:Thiago Zimmerle
Dia 27 de agosto de 2017 (domingo), às 16h
Willy na Terra dos Meninos Invisíveis (Grupo Pedra Polida e CEAEC – Centro de Artes, Educação e Cultura – Olinda). Texto e direção: Anderson Abreu.
Foto: Louis Morais

Dia 27 de agosto de 2017 (domingo), às 20h
O Mar do Sertão (Colégio Marista São Luís – Recife). Texto e direção: Emmanuel Matheus.

Dia 30 de agosto de 2017 (quarta-feira), às 19h
Ritos de Vingança, Amor e Sangue (Cênicas Cia. de Repertório – Recife). Texto: livre adaptação da obra de William Shakespeare. Direção: Antônio Rodrigues.
Foto: Toni Rodrigues

Dia 31 de agosto de 2017 (quinta-feira), às 19h
Ascensão e Queda da Cidade (Curso Avançado de Teatro do SESC Santo Amaro). Texto baseado na obra “Ascensão e Queda da Cidade de Mahagonny”, de Bertolt Brecht. Direção: Pedro Rodrigues, com assistência de Alcione Aquino.
Foto: Felipe Prado

Dia 01 de setembro de 2017 (sexta-feira), às 19h
VudéjàVu (Academia Santa Gertrudes – Olinda). Texto: Gabi Cabral e Valentina Lima. Direção: Gabi Cabral.

Dia 02 de setembro de 2017 (sábado), às 16h
Espetáculo de formas animadas, indicado para maiores de 14 anos
Retratos de Amor (Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Pernambuco – Recife). Criação coletiva. Direção: Izabel Concessa.
Foto:Izabel Concessa

Dia 02 de setembro de 2017 (sábado), às 20h
Os Sobreviventes (Coletivo Em Duo e Curso de História da Universidade Federal de Pernambuco – Recife). Texto: Camila Mendes, livremente inspirada em conto de Caio Fernando Abreu. Direção: Camila Mendes e Fábio Alves.

PROGRAMAÇÃO DAS COREOGRAFIAS
Dia 03 de setembro de 2017 (domingo)
APRESENTAÇÕES DAS 17 HORAS

Aurora (Battu Grupo de Dança e Colégio Virgem Imaculada – Paulista). Coreografia e direção: Thuan César Nascimento.

Eita! Nordeste da Peste! (Pré-Grupo de Dança e Colégio Virgem Imaculada – Paulista). Coreografia e direção: Thuan César Nascimento.

Amigas (Stúdio de Danças – Recife). Coreografia e direção: Viviane Luz.
Foto: Viviany Luz

Aquela Coisa Toda (Grupo NAP de Dança e Colégio NAP – Recife). Coreografia e direção: Viviane Lira.
Foto: Felipe Soares

Bandolins (Grupo NAP de Dança e Colégio NAP – Recife). Coreografia e direção: Viviane Lira.

Foto: Felipe Soares

Bonecas Francesas (Stúdio de Danças – Recife). Coreografia e direção: Brenda Schettini e Lúcia Roberta Dumaresq Valle. Direção: Brenda Schettini.
Foto: K&C Fotografias

Elo (Grupo Equipe de Dança e Colégio Equipe – Recife). Coreografia e direção: Taynanda Carvalho e Viviane Lira.

Sangrando (Grupo NAP de Dança e Colégio NAP – Recife). Coreografia e direção: Viviane Lira.
 Foto: Felipe Soares

Paysant (Stúdio de Danças – Recife). Coreografia: Jules Perrot Jean Coralli. Adaptação e direção: Brenda Schettini.
Foto: Carlos Alcantara 

Princesa Florine (Stúdio de Danças – Recife). Coreografia: Marius Petipa. Adaptação e direção: Brenda Schettini.
APRESENTAÇÕES DAS 19 HORAS

Louvação Bandeira de São João e Acorda Povo (Grupo Artístico e Cultural Boi Ta Ta Tá – Recife) Coreografia e direção: Grupo Artístico e Cultural Boi Ta Ta Tá.

Brinquedos Populares (Academia Santa Gertrudes – Olinda). Coreografia e direção: Gigi Albuquerque.

Cartomantes (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Mayara Mesquita

Dandara (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Larissa Porto

 (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Mayara Mesquita

No Passo do Frevo (Centro Comunitário Vivendo e Aprendendo – Camaragibe). Coreografia: criação coletiva. Direção: Anderson Henry.

Nós Duas (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Mayara Mesquita

O Grito da Liberdade (Grupo Cultural Faceta Cia. de Dança – Recife). Coreografia e direção: Conceição Silva.

Quando o Tempo Para (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Mayara Mesquita

Tempos Modernos (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Vannina Porto

Sobre Sonhos e Balões (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Larissa Porto

Dançar da Alegria (Centro Comunitário Vivendo e Aprendendo – Camaragibe). Coreografia e direção: Anderson Henry.

sexta-feira, 7 de julho de 2017


15º Festival Estudantil de Teatro e Dança

Selecionados na categoria Teatro:

De Quem é a Culpa Se Nunca Chegamos? (Grupo Arte em Movimento e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco – Recife). Texto: criação coletiva do Grupo Arte em Movimento. Direção: Eduardo Bringel.

DNA (Grupo de Teatro da Escola da Vila – São Paulo). Texto: Dennis Kelly. Direção: Tuna Serzedello.

Edifício Máximus (Academia Santa Gertrudes – Olinda). Texto e direção: Gabi Cabral.

Haverá Um Maldito Aqui Dentro (Escola Municipal de Arte João Pernambuco – Recife). Texto: Fred Nascimento, a partir do universo de Charles Bukowski. Direção: Fred Nascimento.

Homens e Caranguejos (Grupo Arte em Movimento e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco – Recife). Texto: criação coletiva, sob coordenação de Higor Tenório. Direção: Higor Tenório.

Isadora, Um Espetáculo de Plagiocombinação (Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Pernambuco – Recife). Criação coletiva. Direção: Marianne Consentino, com assistência de Rafael Dayon e Rosa Amorim.

O Mar do Sertão (Colégio Marista São Luís – Recife). Texto e direção: Emmanuel Matheus.

Os Sobreviventes (Coletivo Em Duo e Curso de História da Universidade Federal de Pernambuco – Recife). Texto: Camila Mendes, livremente inspirada em conto de Caio Fernando Abreu. Direção: Camila Mendes e Fábio Alves.

Retratos de Amor (Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Pernambuco – Recife). Criação coletiva. Direção: Izabel Concessa.

Ritos de Vingança, Amor e Sangue (Cênicas Cia. de Repertório – Recife). Texto: livre adaptação da obra de William Shakespeare. Direção: Antônio Rodrigues.

VudéjàVu (Academia Santa Gertrudes – Olinda). Texto: Gabi Cabral e Valentina Lima. Direção: Gabi Cabral.

Willy na Terra dos Meninos Invisíveis (Grupo Pedra Polida e CEAEC – Centro de Artes, Educação e Cultura – Olinda). Texto e direção: Anderson Abreu.


Selecionados na categoria Dança:


Amigas (Stúdio de Danças – Recife). Coreografia e direção: Viviane Luz.

Aquela Coisa Toda (Grupo NAP de Dança e Colégio NAP – Recife). Coreografia e direção: Viviane Lira.

Aurora (Battu Grupo de Dança e Colégio Virgem Imaculada – Paulista). Coreografia e direção: Thuan César Nascimento.

Bandolins (Grupo NAP de Dança e Colégio NAP – Recife). Coreografia e direção: Viviane Lira.

Bonecas Francesas (Stúdio de Danças – Recife). Coreografia e direção: Brenda Schettini e Lúcia Roberta Dumaresq Valle. Direção: Brenda Schettini.

Brinquedos Populares (Academia Santa Gertrudes – Olinda). Coreografia e direção: Gigi Albuquerque.

Cartomantes (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Mayara Mesquita

Dançar da Alegria (Centro Comunitário Vivendo e Aprendendo – Camaragibe). Coreografia e direção: Anderson Henry.

Dandara (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Larissa Porto

Elo (Grupo Equipe de Dança e Colégio Equipe – Recife). Coreografia e direção: Taynanda Carvalho e Viviane Lira.

Eita! Nordeste da Peste! (Pré-Grupo de Dança e Colégio Virgem Imaculada – Paulista). Coreografia e direção: Thuan César Nascimento.

Louvação Bandeira de São João e Acorda Povo (Grupo Artístico e Cultural Boi Ta Ta Tá – Recife) Coreografia e direção: Grupo Artístico e Cultural Boi Ta Ta Tá.

(Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Mayara Mesquita

No Passo do Frevo (Centro Comunitário Vivendo e Aprendendo – Camaragibe). Coreografia: criação coletiva. Direção: Anderson Henry.

Nós Duas (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Mayara Mesquita

O Grito da Liberdade (Grupo Cultural Faceta Cia. de Dança – Recife). Coreografia e direção: Conceição Silva.

Paysant (Stúdio de Danças – Recife). Coreografia: Jules Perrot Jean Coralli. Adaptação e direção: Brenda Schettini.

Princesa Florine (Stúdio de Danças – Recife). Coreografia: Marius Petipa. Adaptação e direção: Brenda Schettini.

Quando o Tempo Para (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Mayara Mesquita

Sangrando (Grupo NAP de Dança e Colégio NAP – Recife). Coreografia e direção: Viviane Lira.

Sobre Sonhos e Balões (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Larissa Porto


Tempos Modernos (Escola Gesttus – Recife). Coreografia e direção: Vannina Porto

domingo, 11 de junho de 2017

15º FESTIVAL ESTUDANTIL DE TEATRO E DANÇA
FICHA DE INSCRIÇÃO – DANÇA

Nome da instituição responsável (grupo e escola):


Duração da coreografia:                   Estilo:
Solo, Duo ou Trio (           ) Grupo (      )
Indicação de idade: livre (          ) A partir de (     ) anos
Diretor da coreografia:
Coreógrafo:                      (enviar currículo em anexo)
Trilha sonora: execução ao vivo (           )       músicas gravadas  (        )
Quem concebeu a trilha sonora/seleção musical:
Quem concebeu a Iluminação:
Quem concebeu o Figurino:
Quem concebeu a Maquiagem:
Bailarina/bailarino:






Músicos (caso seja com trilha sonora ao vivo):




Nome do responsável:
RG:                      CPF:
Endereço:
                                                          
Bairro:                              Cidade:
E-Mail:
Telefone convencional:                           Telefone celular:
Valor recebido:                                          Assinatura da produção:
A escola já participou do Festival Estudantil de Teatro e Dança?
Sim (           ) Não (            ) Se sim, cite até duas coreografias:


A coreografia não pode extrapolar 10 minutos ou ter menos de 03 min. de duração, sendo a atração excluída. Favor listar E-mail de todos os participantes em anexo (digitalizados) e divulgar mais três telefones para contato da equipe, convencionais e celulares.




15º FESTIVAL ESTUDANTIL DE TEATRO E DANÇA  
FICHA DE INSCRIÇÃO – TEATRO

Nome da instituição responsável

Nome do espetáculo:
Duração do espetáculo:: infanto-juvenil (   )    adulto (     )
Indicação de idade: livre (        ) A partir de (         ) anos
Autor do texto/roteiro:
Diretor do espetáculo:                  (enviar currículo em anexo)
Trilha sonora: execução ao vivo (           )       músicas gravadas  (          )
Quem concebeu a trilha sonora/seleção musical:
Quem concebeu a Iluminação:
Quem concebeu a Coreografia:
Quem concebeu o Cenário:
Quem concebeu o Figurino:
Quem concebeu a Maquiagem:
Atores/Atrizes:



Músicos (caso seja com trilha sonora ao vivo):


Nome do responsável:
RG:                                                       CPF:
Endereço:
                                                          
Bairro:                          Cidade:
E-Mail:
Telefone convencional:             Telefone celular:
Valor recebido:                                          Assinatura da produção:
A escola já participou do Festival Estudantil de Teatro e Dança?
Sim (           ) Não (         ) Se sim, cite até dois espetáculos:


O espetáculo não pode extrapolar 1h ou ter menos de 40 min. de duração, sendo a atração excluída. Favor listar E-mail de todos os participantes em anexo (digitalizados) e divulgar mais três telefones para contato da equipe, convencionais e celulares.